De presa a caçador!

Nos últimos 20 anos temos assistido em Portugal a um aumento da taxa de alfabetização e a uma oferta cada vez maior de pessoas com qualificações de ensino superior.

O número de estabelecimentos que proporcionam diplomas a este nível está cada vez maior, repartido entre Universidades e Institutos, privados e públicos, o que proporciona às empresas mais e melhores possibilidades de escolha na altura de recrutar alguém.

Este facto, que é intrinsecamente bom e um exemplo taxativo da melhoria de condições de vida no país, tem o efeito de tornar mais vulnerável a situação laboral de todos, pois cada vez mais é possível substituir um funcionário por outro com as mesmas (ou superiores) qualificações técnicas.

Enquanto alguns procuram na fútil (infrutífera e simplista) abordagem sindical a segurança no local de trabalho, há outros que estão focados em si próprios e em como podem cada vez mais melhorar a sua performance até se tornarem imprescindíveis na organização.

Esta imprescindibilidade não significa que a empresa não funciona sem uma pessoa. Pelo contrário, significa que a performance dessa pessoa coloca a empresa a funcionar num nível diferente de eficiência e eficácia, criando os sistemas para esses níveis se manterem mesmo sem a minha intervenção direta, libertando-a para fazer o mesmo noutras áreas da organização.

Simplificando, quer dizer que se esse colaborador consegue pôr os departamentos a atingir melhores resultados sem estar presente lá, isso permite-lhe ser promovido para fazer o mesmo noutros departamentos e estruturas.

Quando alguém numa empresa consegue atingir estes níveis de performance, torna-se um ativo tão valioso que a questão não é "se é dispensado ou não", é "o que é preciso fazer para ele querer continuar cá".

Independentemente da posição que ocupamos na empresa, é possível trabalhar para sermos imprescindíveis e por isso deixo aqui 5 dicas para o conseguirmos:

1 – Seja o exemplo do que quer ver

Mesmo que mais ninguém o acompanhe, assuma a responsabilidade de ter os comportamentos que acredita serem os que podem produzir os melhores resultados.

2 – Torne-se excelente a definir objetivos

Defina metas claras para si e incentive a sua equipa a fazer o mesmo. Sem destino, o caminho pouco interessa.

3 – Pessoas primeiro

São as pessoas que fazem os resultados acontecer, por isso foque-se em perceber as motivações e anseios de cada um e tome sua a responsabilidade de ajudar e comprometer todos com os resultados que procuram.

4 – Equipa primeiro

Só com trabalho de equipa se atingem objetivos extraordinários. Estarmos dispostos a encontrar formas que ajudem os indivíduos a melhorar os seus resultados, desde que o foco deles esteja no seu compromisso de ajudar a equipa.

5 – Resultados primeiro

Buscar constantemente formas, processos, técnicas e experiências que tragam melhores resultados.

Se todos os dias tivermos estes pensamentos e aplicarmos (nem que seja parcialmente) estas dicas, rapidamente estarão a olhar para nós como “role model” da organização.